A Fujifilm assume o
desafio em fazer da medicina
regenerativa uma realidade

No mundo atual, existem ainda muitas doenças sem tratamentos eficazes e milhões de pessoas aguardam com esperança pela sua descoberta. Uma abordagem radical a este problema, que atrai o interesse geral, é a medicina regenerativa, na qual as células humanas crescem artificialmente e são utilizadas para regenerar os órgãos ou os tecidos doentes ou danificados do doente e restaurar a sua função. Com o objetivo de liderar o caminho na medicina regenerativa, a Fujifilm está a trabalhar para tornar uma realidade estes tratamentos extremamente promissores. Esta é a história de como a Fujifilm assume os grandes desafios na medicina regenerativa e alcança sucesso na área.

Um sentido de responsabilidade de uma empresa de cuidados de saúde completa para aplicação da sua tecnologia

Num olhar rápido, a Fujifilm poderá parecer um candidato improvável a líder na medicina regenerativa. Contudo, o seu envolvimento na indústria de cuidados de saúde tem já várias décadas. Fundada em 1934, a Fujifilm oferecia já em 1936 a película radiográfica. Em 1983, a Fujifilm iniciou a comercialização da Radiografia Computorizada Fuji (FCR), tornando-se na primeira empresa do mundo a oferecer um sistema de imagem de diagnóstico digital radiográfico. Através destes e de muitos outros produtos, a Fujifilm contribuiu para a evolução da medicina de diagnóstico. Adicionalmente, nos últimos anos, a Fujifilm contribuiu para a medicina preventiva, com suplementos, produtos de beleza anti-idade e medicamentos para tratamentos médicos. Desta forma, a Fujifilm transformou-se numa empresa que engloba a prevenção, diagnóstico e tratamento. Como uma empresa de cuidados de saúde global, a Fujifilm viu os tratamentos revolucionários que a medicina regenerativa poderia oferecer como uma parte fundamental da sua missão.

Outro fator importante na decisão da Fujifilm para entrar neste setor foi o extenso portfólio de tecnologias da empresa, muitas das quais pareciam aplicáveis à medicina regenerativa. Um exemplo é a película fotográfica, que foi o produto principal da Fujifilm no momento da fundação e ao longo de muitos anos. O filme é um produto químico de precisão que integra reagentes de produção de cor e aproximadamente 100 compostos químicos diferentes no total, numa camada ultrafina, com apenas 20 micrómetros de espessura. A produção de película fotográfica requer tecnologias que controlem muitas reações químicas diferentes numa escala microscópica. Por coincidência, 20 micrómetros é praticamente o diâmetro de uma célula do fígado. As tecnologias de controlo de microambientes da Fujifilm pareciam ter um potencial extraordinário no mundo da medicina regenerativa.

A Fujifilm possuía também um vasto conhecimento sobre o colagénio, uma proteína que constitui um dos principais componentes da película fotográfica. Na medicina regenerativa, o colagénio desempenha um papel crítico no crescimento das células e no restauro dos tecidos. Para satisfazer a procura de película fotográfica da mais elevada qualidade, a Fujifilm redefiniu um vasto número de tecnologias baseadas no colagénio, incluindo métodos de processamento e de controlo da proteína, que é extremamente sensível a parâmetros ambientais, como a humidade e a temperatura. A Fujifilm viu uma oportunidade clara para otimizar as tecnologias do colagénio nesta nova e interessante área.

Uma inovação conduz a outra

Se a medicina regenerativa conseguir evoluir ao ponto de tornar possível a regeneração de órgãos completos, não há qualquer dúvida de que trará grandes alterações à medicina e à sociedade. Não obstante, muitas barreiras tecnológicas permanecem no caminho e essas maravilhas médicas só deverão ser possíveis numa década ou mais.

Mesmo hoje, no entanto, a Fujifilm acredita que pode oferecer uma inovação tão importante como a própria medicina regenerativa: através de iPSCs (células estaminais pluripotentes induzidas) para apoiar o desenvolvimento de medicamentos. Em 2012, o Professor Shinya Yamanaka da Universidade de Quioto e o biólogo Inglês John Gurdon receberam o Prémio Nobel da Medicina, chamando a atenção global para estas fantásticas células, que o Professor Yamanaka utilizou pela primeira vez no seu laboratório.

Capazes de se transformarem em células de qualquer órgão ou tecido no corpo, as iPSCs podem também crescer e aumentar virtualmente sem limite. A Cellular Dynamics International, Inc., que integrou o Grupo Fujifilm em Maio de 2015, está a otimizar tecnologias de produção e de desenvolvimento de iPSC de nível mundial para criar um banco de iPSC que integra iPSCs para utilização na investigação de várias doenças e condições. De futuro, as empresas farmacêuticas poderão utilizar estas células para testar a segurança e a eficácia de novos medicamentos, reduzindo significativamente a necessidade de testes clínicos em humanos. Por conseguinte, as IPSCs têm o potencial de revolucionar o processo de desenvolvimento de medicamentos e aumentar exponencialmente a velocidade e a eficiência. Além disso, o desenvolvimento de medicamentos suportado pelas iPSCs poderá, por sua vez, conduzir a progressos na medicina regenerativa. O incentivo para criar iPSCs tão semelhantes quanto possível às células humanas, no que diz respeito à estrutura e ao funcionamento, para desenvolver eficazmente novos medicamentos pode também ter o efeito aperfeiçoamento para utilização na regeneração de órgãos humanos.

Liderar na medicina regenerativa

Epiderme Cultivada

O apoio ao desenvolvimento de medicamentos através das iPSCs poderá criar sinergias para expandir a medicina regenerativa. A Fujifilm está a ajustar a sua orientação com vista ao sucesso em ambas as áreas, tendo obtido já resultados significativos em cada uma delas.

Ao otimizar as tecnologias de colagénio desenvolvidas originalmente para a película fotográfica, a Fujifilm desenvolveu um peptídeo recombinante (RCP), uma proteína artificial que atua como um suporte eficaz para o crescimento de células. Para simplificar a utilização deste RCP na investigação, a Fujifilm oferece-o como uma acumulação de células em forma de solução e de pó liofilizado.

Em 2014, a Japan Tissue Engineering Co., Ltd. tornou-se uma subsidiária do Grupo Fujifilm. Esta empresa lançou os dois primeiros produtos de medicina regenerativa aprovados pelo governo Japonês. A Japan Tissue Engineering oferece atualmente dois produtos principais: autologous cultured epidermis JACE® e autologous cultured cartilage JACC®. A empresa executa também trabalho de cultura de células sob comissão de outras empresas e instituições. A Cellular Dynamics International juntou-se também ao Grupo Fujifilm e contribui com o seu vasto conhecimento na área das iPSCs, que constituem a base da medicina regenerativa. A decisão de trazer estas empresas altamente inovadoras para o Grupo Fujifilm realça a dedicação da empresa em alcançar a liderança no campo da medicina regenerativa.

Espera-se que o mercado da medicina regenerativa cresça para aproximadamente 120 mil milhões de dólares em 2030. Contudo, para a Fujifilm, a medicina regenerativa é muito mais do que uma oportunidade de negócio interessante. O significado real do envolvimento neste mercado está na cura de doenças atualmente intratáveis e numa nova esperança para os doentes e os seus familiares. Com o objetivo de ser reconhecida como um líder a nível mundial na área da medicina regenerativa, a Fujifilm irá continuar a avançar neste desafio extremamente importante.

Conteúdos relacionados:

Também poderá gostar de:


Powered By OneLink